30 março 2011

"As Pessoas Ainda Não Foram Terminadas"... - Rubem Alves


"As diferenças entre um sábio e um cientista? São muitas e não posso dizer todas. Só algumas.

O sábio conhece com a boca, o cientista, com a cabeça. Aquilo que o sábio conhece tem sabor, é comida, conhecimento corporal. O corpo gosta. A palavra “sapio”, em latim, quer dizer “eu degusto”… O sábio é um cozinheiro que faz pratos saborosos com o que a vida oferece. O saber do sábio dá alegria, razões para viver. Já o que o cientista oferece não tem gosto, não mexe com o corpo, não dá razões para viver. O cientista retruca: 'Não tem gosto, mas tem poder'… É verdade. O sábio ensina coisas do amor. O cientista, do poder.

Para o cientista, o silêncio é o espaço da ignorância. Nele não mora saber algum; é um vazio que nada diz. Para o sábio o silêncio é o tempo da escuta, quando se ouve uma melodia que faz chorar, como disse Fernando Pessoa num dos seus poemas. Roland Barthes, já velho, confessou que abandonara os saberes faláveis e se dedicava, no seu momento crepuscular, aos sabores inefáveis.

Outra diferença é que para ser cientista há de se estudar muito, enquanto para ser sábio não é preciso estudar. Um dos aforismos do Tao-Te-Ching diz o seguinte: “Na busca dos saberes, cada dia alguma coisa é acrescentada. Na busca da sabedoria, cada dia alguma coisa é abandonada”. O cientista soma. O sábio subtrai.

Riobaldo, ao que me consta, não tinha diploma. E, não obstante, era sábio. Vejam só o que ele disse: 'O senhor mire e veja: o mais importante e bonito do mun­do é isto: que as pessoas não estão sempre iguais, ainda não foram terminadas – mas que elas vão sempre mudando…'

É só por causa dessa sabedoria que há educadores. A educação acontece enquanto as pessoas vão mudando, para que não deixem de mudar. Se as pessoas estivessem prontas não haveria lugar para a educação. O educador ajuda os outros a irem mudando no tempo.

Eu mesmo já mudei nem sei quantas vezes. As pessoas da minha geração são as que viveram mais tempo, não pelo número de anos contados pelos relógios e calendários, mas pela infinidade de mundos por que passamos num tempo tão curto. Nos meus 74 anos, meu corpo e minha cabeça viajaram do mundo da pedra lascada e da madeira – monjolo, pi­lão, lamparina – até o mundo dos computadores e da internet.

Os animais e plantas também mudam, mas tão devagar que não percebemos. Estão prontos.

Abelhas, vespas, cobras, formigas, pássaros, aranhas são o que são e fazem o que fazem há milhões de anos. Porque estão prontos, não precisam pensar e não podem ser educados. Sua programação, o tal de DNA, já nasce pronta. Seus corpos já nascem sabendo o que precisam saber para viver.

Conosco aconteceu diferente. Parece que, ao nos criar, o Criador cometeu um erro (ou nos pregou uma peça!): deu-nos um DNA incompleto. E porque nosso DNA é incompleto somos condenados a pensar. Pensar para quê? Para inventar a vida! É por isso, porque nosso DNA é incompleto, que inventamos poesia, culinária, música, ciência, arquitetura, jardins, religiões, esses mundos a que se dá o nome de cultura.

Pra isso existem os educadores: para cumprir o dito do Riobaldo… Uma escola é um caldeirão de bruxas que o educador vai mexendo para 'desigualizar” as pessoas e fazer outros mundos nascerem'"…

Rubem Alves
Fonte: http://revistaeducacao.uol.com.br/textos.asp?codigo=12246

PORTAL DO PROFESSOR - UMA FERRAMENTA INTELIGENTE


O Portal do Professor é um espaço para troca de experiências entre professores do ensino fundamental e médio. É um ambiente virtual com recursos educacionais que facilitam e dinamizam o trabalho dos professores.

O conteúdo do portal inclui sugestões de aulas de acordo com o currículo de cada disciplina e recursos como vídeos, fotos, mapas, áudio e textos. Nele, o professor poderá preparar a aula, ficará informado sobre os cursos de capacitação oferecidos em municípios e estados e na área federal e sobre a legislação específica.

29 março 2011

DIVULGAÇÃO DO PORTAL DOMÍNIO PÚBLICO


A SME de Porto-PI divulga o Portal Domínio Público aos professores, alunos e a toda comunidade escolar.

24 março 2011

PROJETO: BATALHA DO JENIPAPO, VALORIZANDO A HISTÓRIA PIAUIENSE












BATALHA DO JENIPAPO, VALORIZANDO A HISTÓRIA PIAUIENSE
Os alunos da Unidade Escolar "Professora Edite Lima", neste último sábado 19/03, acompanhados do diretor Francisco de Jesus, a coordenadora e professores das diferentes áreas do conhecimento, fizeram uma aula-passeio à cidade de Campo Maior-PI para visitar o Monumento aos Heróis do Jenipapo. Alunos do 6º e 7º ano realizaram um projeto sobre a importância do movimento para a Independência do Brasil. O projeto foi realizado durante os dias 14 à 18/março, durante estes dias os discentes fizeram pesquisas, leituras, assistiram vídeos, ouviram palestras envolvendo educandos e educadores para se trabalhar os valores referentes a História do Piauí. A escola a três anos consecutivos trabalha com projetos interdisciplinares com o objetivo de integrar a comunidade e melhorar o desempenho acadêmico dos alunos na busca de uma educação de qualidade.

HISTÓRICO DA BATALHA DO JENIPAPO
Às margens do rio Jenipapo, no atual município de Campo Maior, foram palco de uma sangrenta batalha envolvendo os partidários da independência brasileira e a resistência portuguesa que procurava evitá-la. Era 13 de março de 1823. Este confronto pode ser visto como um dos momentos cruciais da adesão da província piauiense ao processo emancipatório brasileiro.
Apesar da independência tem sido oficialmente proclamada a 7 de setembro de 1822, pelo príncipe regente São Paulo, as outras regiões da América portuguesa não havia aderido. Aquele gesto simbolizava apenas a adesão da região Centro-Sul. O processo de independência nas outras áreas implicou em se cruentas batalhas, especialmente no norte, incluindo o nordeste atual. Essa área era alvo de pretensão portuguesa de perpetuar domínios na América.
Neste sentido, a província piauiense assumia uma importância fundamental para o governo português em virtude da sua posição territorial, encravada entre as províncias ocidentais e orientais do norte da América portuguesa. Por conta disto e, sobretudo, devido à expansão dos ideais emancipacionistas, desde 1821 eram enviadas, pelo governo português, quantidades significativas de armamentos e munições bem como havia a nomeação de militares experientes para cuidar desta região. Para essa província fora nomeado João José da Cunha Fidié como governador das armas. Ele era experiente militar, veterano nas guerras napoleônicas.
No Piauí, a primeira vila a se manifestar favoravelmente ao governo de D. Pedro I, instalado no Rio de Janeiro, foi São José da Parnaíba, através da Câmara local. Era 19 de outubro de 1822. Essa iniciativa fez com que as tropas favoráveis a Portugal se deslocassem de Oeiras para Parnaíba, lideradas pelo próprio governador das Armas, o Major Fidié.
Antes de chegarem à vila do extremo norte, as tropas eusófilas estacionaram em Campo Maior, na qual procuraram apurar denúncias acerca dos preparatórios de adesão às tendências emancipacionistas. Neste ínterim, as lideranças parnaibanas se deslocaram para o Ceará. Assim quando as tropas de Fidié chegaram a Parnaíba não encontraram resistências.
Enquanto as tropas portuguesas estavam em Parnaíba, outros povoados e vilas aderiram ao processo emancipatório, dentre eles Piracuruca, Matões e Oeiras, em janeiro de 1823. Nesta última ocorrera a deposição da Junta Governativa pró-Portugal. Além disso, alguns contingentes cearenses chegaram ao Piauí. Neste contexto, deu-se a proclamação da independência em Campo Maior, em fevereiro de 1823.
No início de março de 1823 as tropas de Fidié saíram de Parnaíba para tentar submeter as demais vilas que estavam aderindo ao processo de independência. Seguiram-se alguns breves incidentes no trajeto, porém, o maior combate se deu às margens do rio Jenipapo.
A expectativa do avanço das tropas portuguesas rumo à Campo Maior implicou numa mobilização sem precedentes da população local para formação de tropas para o combate, agregando-se grupos de vaqueiros e roceiros armados com os instrumentos disponíveis, como: facões, machados, foices, espetos, espingardas, paus e pedras. Enquanto as tropas inimigas eram bem armadas, municiadas, disciplinadas e organizadas sob o comando de experientes militares.
O grande confronto se deu no dia 3 de março de 1823, nas proximidades do rio Jenipapo. Cerca de 2500 piauienses e cearenses, sem adestramento militar, e debaixo de um sol abrasador num ano de estiagem arrasadora, enfrentaram as tropas portuguesas. Após 5 horas de intenso combate, as tropas locais contavam entre suas perdas 700 homens, entre mortos, feridos e prisioneiros de guerra. Do lado português, as perdas não chegaram a uma centena, porém haviam perdido boa parte da bagagem de guerra; o separatistas desviaram importantes equipamentos de guerra das tropas portuguesas.
Entretanto, a vitória lusitana era incontestável, ganharam uma batalha, mas a guerra estava longe de terminar, pois a ausência de recursos bélicos e a possibilidade de enfrentamento de outras batalhas, com a chegada de reforços de outras vilas e províncias, fez com que Fidié e suas tropas se deslocassem, em abril de 1823, para o Maranhão, província leal a Portugal. Porém, após o cerco de Caxias, pelas tropas separatistas, formadas por piauienses, cearenses e maranhenses, as tropas de Fidié se renderam, no final de julho de 1824.
Portanto, foi neste contexto que se deu o real processo emancipacionista e a adesão do Piauí ao governo do império do Brasil, caracterizado por diversas lutas sanguinárias, com a participação popular, porém, a maioria da população não se beneficiou de seus resultados, pois uma oligarquia assumiu o projeto de consolidação do estado brasileiro em detrimento das transformações mais profundas dessa sociedade.






23 março 2011

FORMAÇÃO DE PROFESSORES- MÓDULO IV PROGRAMA ESCOLA ATIVA










FORMAÇÃO DE PROFESSORES - MÓDULO IV
PROGRAMA ESCOLA ATIVA
TEMA: ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO
A coordenação do Programa Escola Ativa em Porto-PI tem realizado formações com os professores lotados na zona rural de acordo com as orientações da Secretaria Estadual de Educação. O material instrucional da formação é indicado pela supervisão estadual de Teresina-PI. A coordenadora Gracilene Alves de Carvalho é a multiplicadora da capacitação em serviço, pois participa em Teresina da formação com professores e coordenadores de vários municípios do Piauí e repassa aos professores que atuam nas escolas que utilizam a metodologia Escola Ativa. A formação acontece por etapas e tem uma agenda de trabalho bem extensa. A últma formação aconteceu dos dias 15 à 18/03, na Unidade Escolar "Professora Edite Lima", nos turnos manhã e tarde. Eis alguns subtemas abordadados: Ensino Fundamental de 9 anos; Alfabetizando nas turmas multisseriadas; Principais teorias de alfabetização e seus respectivos métodos; Letramento e Alfabetização; Aspectos psicolinguístico de alfabetização e Psicogênese da Língua Escrita. No encerramento das atividades a coordenadora Tatiana Vieira repassa os informes do PEA.

21 março 2011

A importância do trabalho em grupo na aprendizagem





Alunos do 6º ano da Unidade Escolar "Tote Oliveira" acompanhados da professora Edna Santos realizaram trabalho de pesquisa sobre a origem da língua, os primeiros escritos, as primeiras formas de comunicação verbal.

Trabalhar em equipe é mais divertido do que trabalhar individualmente, o que pode contribuir para melhorar nosso desempenho. Os alunos fizeram um trabalho de pesquisa utilizando livros, revistas das várias áreas do conhecimento.

O Exemplo acima nos dá a clara visão da importância do trabalho interdisciplinar , temos que ter em mente que todas as disciplinas andam de mãos dadas – uma necessita da outra para o seu desenvolvimento – para resolvermos um problema matemático temos que saber ler e interpretar o problema para isso temos que saber interpretar textos, pontuar corretamente,etc.

15 março 2011

REUNIÃO COM A EQUIPE DA SME EM PORTO - 14/03/11












A Secretária Municipal de Educação, professora Ivanete Rocha, reuniu nesta segunda-feira, 14/03 os técnicos da SME, coordenadores e diretores para uma reunião para tratar de assuntos referentes à Provinha Brasil, Prova Brasil, Censo Escolar e assuntos administrativos para melhor atendimento do público que procura aquele órgão e as escolas da rede municipal. Na oportunidade a secretária apresentou a nutricionista que atenderá as escolas municipais em 2011, a mesma apresentou-se e falou das suas atribuições e pediu o apoio dos diretores e coordenadores para melhor desempenhar seu papel. O técnico Francisco Lopes falou sobre o Sistema de Acompanhamento do Frequência Escolar, explicou o processo de monitoramento no sistema. A diretora Vera Lúcia lavrou a ata da reunião, onde registrou todos os assuntos discutidos durante a mesma.

PROJETO DE INCENTIVO À LEITURA






LEITURA PRAZEROSA

ESCRITA FABULOSA

TEMA: GÊNEROS TEXTUAIS NA PRODUÇÃO DE SABERES

O QUE É O PROJETO?

Um projeto de Incentivo à Leitura por Prazer é um conjunto de ações que apoiam as escolas na democratização do acesso ao mundo da literatura. Isso significa possibilitar a interação com a cultura escrita por parte dos professores, dos alunos e da comunidade, além de desenvolver suas respectivas competências leitoras.

CARACTERIZAÇÃO

ESCOLA: Unidade Escola “Nilo Soares do Rêgo”

PROJETO: Leitura Prazerosa Escrita Fabulosa

REALIZAÇÃO: março à dezembro/2011

PÚBLICO ALVO: Alunos do 1º ao 9º dos turnos manhã, tarde e noite

CULMINÂNCIA: durante as festividades da escola

JUSTIFICATIVA:

A prática escolar tem-nos comprovado que sem leitura torna-se impossível ao aluno o prosseguimento nos estudos como rege a LDB 9.394/96, art. 35, dentre outras finalidades que ali se propõe. O relativo número de alunos que evadem de nossa escola, que reprovam, nos inquietou, levando-nos a questionar nossas práticas e a rever nosso papel social na escola. Levando em conta o já citado, constatou-se que uma das causas que mais contribuem era a dificuldade de leitura entre os alunos. A unanimidade dos colegas em relação a isso nos deu fôlego e impulso para elaborar este projeto, já que tal situação não pode persistir.

Soma-se a isso a concepção de que ensinar a ler e a escrever sejam tarefas apenas do professor de língua portuguesa. São poucos os professores de outras áreas do saber que se preocupam com aspectos textuais dos trabalhos de seus alunos, por exemplo.

É evidente que não se aprende a ler, nem dominar estratégias de leitura, de uma hora pra outra. Daí o porquê de a escola primar por esse aprendizado ao longo do currículo pelo qual o aluno deva passar. E mais, atividades dessa natureza não devem ocorrer de forma individualizada, mas devem ser incorporadas por todos os professores para que surtam resultados positivos, visto que nenhuma disciplina prescinde desse saber. O aluno que sabe ler tem facilidade de transitar por qualquer área do conhecimento sem maiores dificuldades: será capaz de interpretar problemas matemáticos; aplicar fórmulas adequadas em questões de física; compreender melhor as relações químicas; associar conhecimentos históricos, filosóficos e até sociólogos, com os de literatura, ou de outras áreas; criar, a partir do que ler, seus próprios conceitos; produzir textos com mais desenvoltura, já que será capaz de organizar de forma lógica o que aprende; perceber que determinadas construções da língua, se utilizadas em situações e com intenção diferentes, implicarão sentidos inversos, como no caso da ironia; e tantas outras situações e atividades que poderíamos enumerar aqui. Tornando-se um bom leitor, o aluno terá mais acesso às informações, podendo exercer de fato sua cidadania.

OBJETIVO GERAL:

Criar condições para a leitura em contextos diferentes dos da escola, nos quais os alunos e a comunidade possam ter uma relação mais livre e pessoal com as mais diversas modalidades textuais que circulam socialmente, e formarem-se como leitores e escritores autônomos no exercício de sua cidadania.

OBJETIVOS ESPECÍFICOS:

Montar oficinas para os professores sobre como utilizar as estratégias de leitura em favor da construção do conhecimento;

Incentivar o professor a ler, para ampliar seus conhecimentos e poder auxiliar no processo ensino-aprendizagem;

Propor situações de práticas leitoras com os diferentes tipos de gêneros textuais;

Estimular a leitura por prazer, por meio de atividades lúdicas;

Desenvolver estratégias de leitura/ produção de texto e hipertextos;

Oferecer tempos e espaços de leitura diferentes aos da escola para os jovens e as famílias, em comunidades que estão distanciadas da cultura escrita e falada;

Fomentar o gosto pela leitura, em educadores e alunos, implementando práticas leitoras ricas e diversificadas em todas as áreas do conhecimento;

Tornar a relação escola-comunidade mais íntima;

Desenvolver as capacidades das habilidades linguísticas: falar, escutar, ler e escrever;

Valorizar as produções textuais dos alunos, incentivando a publicação e divulgação das mesmas.

METODOLOGIA:

Para realização deste projeto, várias ações devem ser desenvolvidas, tais como:

Realização das oficinas: para esse momento, devem-se reservar pelo menos duas horas-aulas como momento entre professores para estudo, discussão, elaboração de aulas, escolha dos recursos, textos, e de ambientes em que poderão ocorrer as aulas.

Atividades práticas: para essa etapa, deve ficar claro que cada professor precisará ser dinâmico e criativo e possibilitar o contato dos alunos com todos os tipos de gêneros textuais que irão facilitar a construção do conhecimento (slides, charges, imagens, textos dissertativos, histórias, transparências, gráficos, painéis, álbum seriado, vídeos, blogs, mapas, etc.). O uso desses recursos deve ser pautado nas estratégias de leitura, que serão diferentes, dependendo do tipo de texto a ser utilizado e da metodologia a ser aplicada. E é interessante que haja, inclusive, mobilidade quanto aos ambientes de aprendizagem, como já propõe várias teorias contemporâneas, pois isso dinamiza e torna as aulas menos corriqueiras. Vale lembrar que, cada professor, deve ter em mente que o foco não é o conteúdo da aula, mas a leitura desse conteúdo, ou seja, facilitar, auxiliar o aluno à leitura desses conteúdos, fazendo inferências, questionamentos, discutindo opiniões, indicando pistas lingüísticas, etc. Tudo para fazer o aluno construir o conhecimento a partir do que ler, tornando-o mais independente.

CONTEÚDOS:

Crianças

Professores

Coordenadores

Ø Participação em situação de conto e leitura de histórias.

Ø Escuta atenta e interessada de histórias.

Ø Observação e manuseio de livros.

Ø Orientações didáticas para a realização de leitura para as crianças.

Ø Comportamentos leitores envolvidos na leitura por prazer.

Ø Atividade permanente de leitura.

Ø Concepção de leitura, alfabetização e cultura escrita.

Ø Comportamento leitores envolvidos na leitura por prazer.

Ø As modalidades organizativas do tempo didático: projetos, sequências de atividades e atividades permanentes.

Ø Planejamento da roda de leitura.

Ø A leitura de textos memorizados.

Ø A leitura pelo professor: leitura em voz alta e leitura compartilhada.

Ø Diferença entre dinâmica e estratégias formativas.

Ø A resolução de problemas profissionais como princípio da formação continuada.

Ø O conhecimento didático como matéria prima da formação de professores.

RECURSOS DE ENSINO:

Cartolina, caneta hidrocor, lápis de cor, caneta pilot, papel ofício, receitas culinárias e embalagens de produtos, fotos, figuras, régua, quadro, lápis, caneta, borracha, roupas para dramatizações, bula de remédio, máquina fotográfica, computador, CDs, máquina de xérox, impressora, etc.

CONCLUSÃO:

Não haverá uma fórmula de avaliação. E nesse caso, deve-se primar pelo caráter qualitativo, ou seja, participação dos alunos nas atividades, suas possíveis leituras, inferências, construção de textos realizados a partir de suas leituras. As estratégias de leitura são diversas, mas deve-se ter cuidado para não reduzir à avaliação a momentos isolados. A melhor avaliação, nesse caso, deverá ocorrer ao longo do processo de ensino-aprendizagem.

BIBLIOGRAFIA:

Revista Nova Escola, Edição Nº224 Agosto/2009

1.Programa Gestão da Aprendizagem Escolar – Gestar II. Língua Portuguesa: Caderno de Teoria e Prática 3 – TP3: gêneros e tipos textuais. Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Básica, 2008.

01 março 2011

IMPORTÂNCIA DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM COORDENAÇÃO PEDAGÓGICA

A formação continuada é uma ferramenta indispensável para o profissional da educação, proporciona espaço para compartilhar, construir saberes, elevar a competência dos profissionais em educação e consequentemente dos alunos.
Diante das inúmeras mudanças que ocorrem na sociedade atual, quer seja de ordem econômica, política ou social, a escola e o professor em particular, enfrentam muitos desafios que dificultam seu trabalho frente às exigências do mundo moderno, como o alto índice de analfabetismo, reprovação, abandono, distorção idade-série, dentre outros fatores que contribuem para não realização desta função.
Assim, o trabalho eficiente do profissional em educação é fundamental para coordenar o planejamento pedagógico, qualificando a ação coletiva escolar. É importante ressaltar que uma das atribuições desse profissional, é propor uma relação de mediação entre professor/aluno/famíliam, em busca da efetiva aprendizagem. Outra tarefa é revisar e refletir sobre as práticas pedagógicas, levar o professor e a escola, a assumirem um papel diferenciado frente ao educando. Tudo isso é que garante um crescimento mútuo entre as partes envolvidas.
A Gestão escolar, as práticas pedagógicas, a cultura, os valores da escola, o projeto pedagógico podem apontar explicações importantes para a questão da não aprendizagem, e o coordenador pedagógico pode apropriar-se de informações como estas para propor discussões referentes à aprendizagem. Ele é a peça fundamental no espaço escolar, pois busca integrar os envolvidos no processo ensino-apendizagem, mantendo as relações interpessoais de maneira saudável, respeitanto assim as individualidades de cada docente. Sua participação na elaboração e execuão do Plano de Desenvolvimento da Escola lhe dá oportunidade, junto a comunidade escolar, desenvolver ações que podem melhorar o desempenho dos alunos no sucesso escolar.
Portanto, uma formação específica faz-se necessário dentro da gestão pedagógica. Daí o porquê de se ter mais profissionais se especializando em Coordenação Pedagógica, assim ele estará buscando não só sua valorização como também a do grupo no qual está inserido, objetivando ajudar efetivamente na construção de uma educação de qualidade.